sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Sempre há algo que falta.

Não conseguiam esquecer um do outro...


Ela passava a semana muito bem. Ele cheio de tarefas a fazer.
Mas quando se viam, unicamente naquele dia da semana - bem que evitavam - seus olhares sempre se cruzavam.
Ela continuava fazendo as mesmas coisas. Ele ainda tocando aquelas músicas.
E quando se encontravam no mesmo lugar, o silêncio gritava coisas como: eu ainda sinto sua falta.
Ela segue sua vida, até bem tranquila e muito feliz. Ele sai com os amigos, se diverte e sorri bastante.
Mas olha, quando eles se encontram...
Ele sempre lembra do sorriso dela. E ela sente falta do abraço dele. Porque sabe, essas coisas costumavam parar o tempo para os dois.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Um tempo meu

Dizem que o tempo cura tudo. E que ele leva a dor embora. E com o passar dele, você nem lembra mais de certas coisas. Talvez sim, ou não.
Na verdade, não há nada para ele curar. Não ficaram cicatrizes, ou uma dor latente, ou memórias que devam se perder.
Mas eu quero o tempo sim. Aquele pra mim.
Não é egoísmo, mas agora sou eu.
Eu sem você. Eu e o tempo.
Tempo de ser eu mesma. De cuidar de mim. De aprender.
De viver coisas novas, aquelas que se vivem sozinhas.
De conhecer outros alguéns. De ser o objeto do meu próprio amor.
Ah, é isso. Por enquanto, me dá um tempo.

--

"Quero muita calma daqui pra frente."
Caio F.