sábado, 25 de dezembro de 2010




W.: Quero tanto conversar contigo. Saudade. Minhas confidências tem de esperar mais de 24h agora.Saudade do nosso dia-a-dia.
N.: Até de te ligar pra lembrar o que tu tem que fazer.
W.: Como eu te amoo. Tanto, tanto.
N.: Demais...
W.: Saudade de quando não precisava de motivos pra dizer isso sabe? Quando um EU TE AMO se tornava natural por ser frequente.
N.: Mas sabe de uma coisa. Agora, os "eu te amos", são raros. E as coisas raras são tão especiais. Porque você sabe que não fala por rotina, ou frequência. Fala porque sentiu a verdade ao falar. E isso aumenta o significado das palavras, se é que em algum momento elas puderam ser medidas.
W.: Queria tanto um abraço teu agora...




p.s: eu te amo maninha.

Um comentário: