sábado, 31 de outubro de 2009

Uma parte importante...


Hola personas!!

Sem nada pra fazer e resolvi vir aqui pra falar um pouquinho sobre uma das minhas paixões.

O meu amado e querido Handebol.

Gente como eu amo esse esporte.
Tá. Eu posso não ser tão boa assim. Posso não saber fintar direito, nem saltar tão alto, nem fazer 500 gols por partida( até porque isso ninguém faz). Mas é isso que me deixa mega feliz.

Sabe aquela sensação de vitória? De saber que o seu gol ajudou bastante no resultado. De trabalhar em quipe. De correr antes de todos, só porque eu jogo de ala. De poder descontar a sua raiva de algo, ou alguém na bola, e "sem querer" fazer alguma falta.

É tão importante pra mim. Apesar de estar um pouco de lado agora. #Fato.
É que sabe o colégio está sem time, e assim eu perdi minha alegria das tarde de terça e quinta-feira.
E o melhor de tudo, é que eu jogava, mantinha meu corpinho em forma, saudável, e sem perder o jeitinho menina de ser.

Quem disse que não posso usar salto alto e tênis. Ou usar um vestido longo e uma roupa de jogo? Fazer escova e prender o cabelo num rabo-de-cavalo? Nossa é difícil, até triste ver o handebol tão distante de mim nesse momento. Espero que na faculdade, possa voltar a tê-lo comigo.

É minha paixão, liberdade, fundamental.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Meu Deus, tá acabando mesmo!!

Hola personas!!

Hoje é sessão nostalgia.

Pois é galerinha, mais um ano letivo está se findando. Para alguns é só isso, mas pra mim, acaba aqui a minha jornada escolar.

Foram 15 anos. 15 anos divididos entre educação infantil, ensino fundamental e médio. 15 longos anos da minha vida.

A verdade é que a escola realmente é nossa segunda casa. É lá que eu passava as minhas manhãs, e algumas tardes entre trabalhos, grupos de estudo e treinos de handebol.
Foi lá que aprendi muitas lições, tanto teóricas quanto pra vida também.Foi lá onde eu conheçi os melhores e maiores amigos possíveis. Lá eu brinquei, sorri, chorei [#fato], me diverti, discuti, aprendi, vivi...

Eu lembro que há alguns anos atrás, sempre quis que chegasse logo essa época. Meu 3º ano médio. Está sendo bom, de fato. Mas, me dá saudade de antes.
Hoje, tão as vésperas do vestibular, eu entendo que esses 15 anos foram extremamente importantes e é deles que eu sentirei falta. Não havia tanta cobrança como faculdade, emprego, independência.
Lembro dos dias de jardim de infância, quando eu corria pelo parquinho e brincava de Meninas super-poderosas [tá eu sei]. Quando eu nem me preocupava em arrumar tanto os cabelos, porque correndo, eles nunca ficavam comportados mesmo. Quando a matemática era só 2+2. Quando o português era só "Mamãe eu te amo". E quando profissão era só aquela que a tia perguntava do seu paizinho.

Então queridos é isso. Curtam a sua escola, eu sei que nem sempre é a melhor do mundo, mas a qualidade de seus dias nela, quem determina é você.
Brinquem, pulem, se divirtam, corram, estudem também, e lembrem, depois dela vem o mundo de gente grande. E aí o bicho pega...

sábado, 24 de outubro de 2009

Um dia acontece


Agora ela está tentando voar e não está sozinha
Ela sonha sobre o verão
Sorrindo o tempo todo,ela está feliz de novo
E agora ela voará
Ela é um anjo agora.


A saudade dos olhos de alguém"


O vento soprou. Ela sorriu.
A tempestade passou. Novo tempo surgiu.
Borboleta voou. O lago engrandeceu.
Sua vida mudou.

Ela cresceu.

Seus olhos já não choram.

Seu sorriso poderia iluminar o mundo inteiro.

Ela deixou de sofrer

Agora tenta seguir em frente.
Nem em tudo ela tenta crer.

Não se entrega a palavras fáceis
Tenta mudar o dia e a noite, tenta não chorar.

Tenta não esquecer aquela música...

O tempo vai fazer ela crescer de novo.
O céu deixou de ser escuro.
O sol nasceu lindo essa manhã

Pássaros cantam bem alto
Anunciando um recomeçar
Ela levantou a cabeça
Deixou de chorar.

Como um anjo que habita o jardim...


quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Nem sempre porém



As vezes não quero ver ninguém. As vezes me afasto e escrevo. As vezes te esqueço. As vezes desapareço. As vezes me perco, e não me acho em você. As vezes tropeço. As vezes entristeço. As vezes choro, choro, choro. As vezes tenho crises de riso sozinha. As vezes só olho a lua. As vezes perco um dia todo. As vezes acho que nem penso. As vezes me espanto. As vezes me tranco. As vezes te amo. As vezes te tiro da minha vida. As vezes não sei o que fazer. As vezes quero mais. As vezes só escuto música. As vezes desapareço.
As vezes.
Só as vezes.


A vida não é feita somente de "as vezes". São só fases, momentos. Mas hoje, estou aqui. O tempo me fortaleceu, esses "as vezes" bons, viraram "sempre", e os outros estou tentando mudar. É o objetivo.Faz assim.
Faça da vida a sua meta.

Besitos ;*
Hasta la vista!!

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

As feridas que ninguém vê


Hola personas!! Algumas coisas na vida são inevitáveis.
As dores
Perdas
Decepções.
Machucam e infelizmente acontecem com todo mundo.

A questão é como preencher o vazio que muitas vezes ficam após essas tempestades.

Existem várias possibilidades:

-* Algumas pessoas preferem a fossa total, com muito sorvete, chocolate e pizza [o que não é ruim]
-* Outras fingem que nada aconteceu, e escondem lágrimas por trás de um sorriso, que uma hora virão a tona, como percebemos neste velho ditado: com uma peneira não se tapa o sol" (ou algo parecido).
-* E há também aquelas pessoas que vivem remoendo as cicatrizes que a dor deixou.
Mas na minha opinião o melhor mesmo é viver a dor, sentir mesmo. Em algum momento de tristeza as todo mundo diz: Fica assim não.Não chora... Mas eu acredito que é bom passar por todas as etapas das cicatrizes. Faz bem chorar, é melhor do que ficar prendendo e a cada dia ficar remexendo no passado. A gente sofre? Sofre. Mas passa. Pior do que fingir que nada aconteceu e deixar o tempo percorrer. Sério, alguma hora a dor vai bater na porta dizendo: Oiie eu ainda tô aqui! Então queridos, vivam, sofram, chorem mas no final disso tudo vençam, dêem a volta por cima, sobrevivam e me digam a lição que vocês tiraram disso.

Besitos ;*
Hasta la vista!!

Eu sei que é amor


Hola personas!!

Hoje o que eu tenho pra vocês é um texto lindinho de Marcia de Souza Fagundes. Na verdade eu estava procurando o conto "Eu era mudo e só" mas aí achei esse bem fofis. Curtam...

"É amor... Enquanto eu conseguir falar palavra, ela será amor. Amor é o sentimento constipado de felicidade, é uma nostalgia de presente, um bem-querer sem bem pensar. É aquele querer espremer, abraçar até tornar um, dois corpos.

Amor é o sentimento pleno da paixão, é aquela calmaria que toda plenitude traz. É a ansiedade que toda tormenta produz, mas da terra, acalentada pelo ruído do mar, que perturba. Costumava dizer que o amor era conseqüência da paixão. Ao senti-lo, vi que me enganei. O amor, se existe, coexiste com a paixão, é concebido no primeiro olhar. Paixão não dura sem amor. O amor subsiste em qualquer bafo de existência, permanece além da esperança, além das forças. O amor verdadeiro se basta. Com fome, frio e dor. O amor permanece. Quando nada mais restar, nem mesmo o ódio, oposto que confirma, resta o abraço quente do ser amado pra nos mostrar que existimos.

Mais importante que isso: que coexistimos. O amor, se amor, é eterno. Diferente da truculenta e voraz paixão que consome até se apagar, o amor alimenta. Não cessa de alimentar. É a energia em si, não consome, não exige, não precisa. Apenas é. Pra sempre é. Não morre com o corpo, não nasceu com ele. Surge e vive, eterno e plural, em dois corpos que decidiram deixar-se habitar. O amor não foge, não prende e não puxa. Atrai. O amor atrai, alimenta, seduz. Faz bem, ensina, constrói, edifica. O amor é aquela sensação do primeiro ao último beijo. Aquela certeza louca que nos obriga a sentir tudo sinceramente, a dizer tudo sinceramente.

É o fim dos jogos das paixões juvenis, o início da loucura franca de dizer "pra sempre". O amor é a verdade da vida, a única certeza que temos. Nossos amores são nossos pilares, e nós somos os seus. Sorte de quem tem amor, um só, que seja. Ou se ama, ou não se ama, verbo intransitivo fora da gramática dos céticos. Amores mesmo, são poucos os que trazemos conosco. O verbo amar só é pleno quando sujeito, complemento, objeto, substantivo, paradoxo. Minha família é meu amor. Meus amigos são meu amor. O pai dos meus futuros filhos é o meu amor, o meu amor que coexiste com a paixão.

O meu amor-mar do filme sob os lençóis, do grito de eu te amo na beira da praia, do corpo que esquenta, dos olhos brilhantes, sempre meus. Ele é o meu amor eterno. Verdade franca, redundante, louca e crua. Sob as gargalhadas de nossas cócegas ao brincar de ser criança, está sendo dito, constantemente, o desabafo insanamente são do sentimento que vive dentro de nós e entre nós dois: te amo..."
Besitos ;*
Hasta la vista!!

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

As palavras que ninguém diz

Ele olhava pra ela. Abria a boca. Mas não saia nenhuma palavra. Nada.
Ela observava os dvds da loja. Quando percebeu que ele a olhava sorrindo. E depois nada.
Ele a abraçava, mas não falava nada. Só que ainda não podía fazer isso.
Não podia terminar aquela frase, não agora, não naquele momento.
Ela sorriu. Ela entendeu. Ela espera...